quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O PIQUENIQUE

Existia nele um certo grau de aflição; algo indiferenciado. Pensava assim: e se fosse visitar algum amigo? Mas esta ideia lhe ressaltou ainda mais seu desconforto e lhe veio a visão de sair correndo de lá pela enorme vontade de retornar à sua cama.
Pela manhã vira um ônibus de excursão parado e ao seu lado algumas pessoas esperando o momento de embarcarem; iam passear.
Alguns homens brincavam na calçada com uma bola iniciando asim seu dia de divertimento. Já estavam ensaiando as grandes jogadas que seriam realizadas posteriormente na beira do mar. Era um início de um continuum que teria seu ápice provavelmente algumas hora mais tarde antes de se embebedarem completamente e de se fartarem com a comida preparada por suas mulheres na noite anterior ao piquenique. Depois dormiriam esparramados na areia debaixo de alguma árvore ou sob alguma sombrinha de praia estampada de fundo azul e com flores vermelhas e amarelas.
Uma de suas mulheres de maiô preto sentada ao lado do marido que ressona, limpa os dentes com um palito e depois lambendo os lábios olha ao longe vagamente, o horizonte?
26 de março de 1988

Um comentário:

  1. Parabéns pelo blog.Continue escrevendo seus contos surreais!!!

    ResponderExcluir